Animais Que Se Curam 1

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

E o bicho de nome Romero, um garanhão tosco e bravo, 600 kg de peso, se aproximava pra ele com cara de poucos amigos. CARLOS SANZ E UM LOBO-IBÉRICO. Este biólogo de campo, discípulo de Félix Rodríguez de la Fuente, trabalha com este tipo de animais para a gravação de sequências de Natureza.

Aí, os dois, homem e touro, numa cúmplice união. Este episódio, que não passou de um bom susto inicial, adquire, assim como, o feitio atípico, visto que marca o começo de uma atraente e surpreendente amizade. Está cientificamente comprovado: aqueles indivíduos que estabelecem relações emotivas de peso com os animais tendem a ser mais sociáveis em sua vida cotidiana. E não são poucos. Precisamente, a falta de competitividade.

O ser humano entende-se superior a eles, muito acima de sua espécie. É a prática de dizer-se para sempre jovens ou jovens, a perspectiva de se comportar a toda a hora submissos e fiéis, o que contrasta com os traços naturais que vai apresentando o homem conforme evolui na vida. Mesmo no caso dos filhos -ponto de mira de cuidados e responsabilidades-, chegada a sua maturidade, tornam-se independentes, inexoravelmente, e fogem ao controlo parental. Carinho incondicional. O animal que consiga reunir-se na vida de alguém fará com que você extensível seu carinho sem apresentar condições.

Não é de surpreender. Por inadmissível que pareça, a convivência ou trato constante, como acontece entre as mesmas pessoas, acaba construindo uma troca de gestos, trejeitos e até mesmo traços de caráter que levam a uma certa semelhança. O agora morto zoólogo Konrad Lorenz, prêmio Nobel de Medicina em 1973, citou que ter, a título de exemplo, um cão com características idênticos às de teu dono é uma prova de um direito equilíbrio psíquico desse último”.

LUIS ALBERTO E OS CAVALOS. Ir toda terça-feira ao centro de equitação terapêutica de Valongo (Cidade Real) repercute positivamente sobre esta criança com síndrome de Down. Seu tônus muscular, o teu sentido de lateralidad e teu equilíbrio vêem-se reforçados com a hípica. Não são cães, todavia similares, os lobos, que tem a teu cargo Carlos Sanz, que cuida, alimenta e mima-os como se fossem seus próprios filhos.

esta é a persistência que ele mesmo aponta um acontecimento que vem confirmar a tese anterior: “Após tantos anos, eles tornaram-se um tanto homens e eu me tornei um pouco lobo”. O licenciado em Ciências Biológicas e conhecido fotógrafo naturalista, foi um dos muitos estudantes que iniciou a tua carreira universitária, influenciado pelo serviço de Félix Rodríguez de la Fuente.

  • 2 Joffrey Baratheon
  • Novas Amizades (Dress Up Days)
  • 33 – A amiga de infância de Kanata
  • Confeccionada em algodão PP de alta peculiaridade
  • FERPLAST 0
  • “Espaço Nise da Silveira” do Núcleo de Atenção Psico-Social, Recife
  • 2 Pros clientes
  • Wreck Beach (Vancouver, Canadá)

Quis o acaso que a chance de sua vida lhe chegasse pela primavera de 1975, no momento em que o mesmo diretor de O homem e a Terra lhe disponibilizou pra favorecer em seus projetos. Efeitos que também se apreciam os garotos do Centro de Equitação Terapêutica de Valongo (Cidade Real), financiados pela Fundação Cavalo Ajuda. Nele, criancinhas com síndrome de Down praticam a hipoterapia, uma técnica cujas origens remontam ao ano de 460 a. C. (Hipócrates falava portanto do “saudável ritmo do cavalo”).

Escovam os animais, preparam os arreios e trotados durante um tempo, criando alguns movimentos que eles não conseguem fazer por si próprios. Antonio Fernández Menchén, diretor técnico. Também com animais, apesar de que com objectivos diferentes, trabalha o Centro Oriol Badia da província de Barcelona. Nele estão internos adolescentes delicuentes que convivem com coelhos, galinhas, perus, patos e um casal de burros.

Todos são pequenos de idade que têm problemas com a lei, jovens impulsivos, com sentimentos à flor da pele e reações agressivas. Neste caso, não se trata de uma terapia, no entanto do desenvolvimento de atividades com os animais. Glória Esteve, psicóloga do centro. Os animais nos colocam em contato com o instinto mais puro e nos propõem uma interação em que prima a humildade e a nobreza de espírito. Ajudam a aperfeiçoar as relações interpessoais, do mesmo modo a imagem de si mesmo. São catalisadores mentais, produtores de pensamentos benéficos. A relação do homem com eles, uma das mais antigas, sustenta-se no poder: os animais curados.

Rolar para cima