Black Friday: Como Ganhar Com o A Febre Do ‘e-commerce’ Se Você Não Tem Site

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

em 23% dos pequenos estabelecimentos, será somado aos descontos de sexta-feira, e 27% para os de segunda-feira, de acordo com um estudo do eBay, percentagens relativamente baixos, levando em conta que estes dias serão movidos 1.267 milhões de euros. A circunstância poderá ser encontrada na crença de que possuir uma loja online é preciso para participar. “O que acontece é que o intuito é adquirir visitantes que frequentam o ponto físico de venda ou entrem em contato com a empresa. Dessa maneira, a maioria das ações devem se concentrar em recompensar de algum jeito pro comprador, já que o empenho de compra por parcela desse, será superior”, afirma Ana Delgado, diretora de marketing da The Valley Digital Business School.

Outra opção, inclui, é vender por intermédio de um marketplace, que este se encarregue do marketing on-line e que a pme agir apenas de suporte. No mundo do comércio eletrônico, essas plataformas são os equivalentes aos centros comerciais, em que qualquer empresa pode abrir uma pequena loja, e oferecer seus produtos.

Alguns aceitam todo o tipo de produtos, desde roupas até eletrônicos, como a Amazon ou eBay, e outros especializados em artigos específicos, como Biciclásica ou Uvinum. Em troca de uma comissão a respeito da venda, a plataforma se encarrega de alavancar os produtos e descomplicar a transação, deixando que o vendedor se ocupar só da entrega da mercadoria.

  • Promoções ao freguês
  • Qual é o fantástico barganha que foi achado
  • Atrair novos prospectos
  • a Sua corporação
  • Encontra, segue e constrói relacionamentos com as pessoas na sua indústria
  • 1 Beatriz Retamal
  • a Gestão da marca na Internet

no entanto, organizações como a Amazon oferecem bem como a expectativa de tomar conta de toda a logística: armazenagem, inventário, partilha, gestão de devoluções, etc. “O tráfego da web está mais seguro, desta forma não necessita de um amplo investimento em marketing para doar a dominar a marca”, comenta Raimundo Sala, diretor-geral do PayPal pela Espanha e em Portugal.

“A grau tecnológico, a operação é mais acessível, já que a organização não necessita gastar na programação ou no design de uma app ou web site móvel otimizado. O mercado possui da tecnologia necessária para surgir ao comprador em todos os canais”, explica. Mas trabalhar com estes intermediários também possui tuas desvantagens. A principal é a concorrência direta com outras marcas que vendem os mesmos produtos a preços similares e com o mesmo grau de qualidade. “Ademais, os ganhos que se obtêm são pequenos, pelo que a obrigatoriedade de pagar uma comissão, não é possível influenciar muito na estratégia da própria página e você perde um pouco de controle sobre o modo de compra”, adverte Magro.

Sobre esse último ponto, Sala, destaca-se a praticidade que estes ancinhos 2.0 concedidos de exportar para novos mercados, porque permitem atingir um público global que de outro jeito seria muito penoso voltar. O convencimento muda se a pme tem sua própria loja online. Nesse caso, a indecisão é se necessitam concentrar os esforços lá ou combiná-lo com o emprego de marketplaces. Para Delgado, em geral, o mais querido é escolher a opção do mercado, e somente quando não se conheça a e-store como canal de venda principal, ou se quer liquidar estoques ou fazer ofertas pontuais. “Portanto, se temos uma loja online, o lógico é que concentrar todos os nossos esforços dela pra que saia bem”, declara. Superada esta circunstância, o próximo passo é escolher o marketplace, com o qual trabalharemos.

Ao contrário da versão hospedada, você tem acesso à todas as funcionalidades. E com o software, plugins e templates sem qualquer custo você pode fazer muitas coisas. Seu intuito é desenvolver um lugar em que se valorize a escrita de peculiaridade. Não há anúncios, mas incentiva os leitores a pagar uma taxa.

Rolar para cima