“Chimps Outperform Humans At Memory Task”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A cognição animal é o estudo das capacidades mentais dos animais não-humanos (doravante, animais). Refere-Se ao processo através do qual um animal recebe dicas de teu ambiente por meio de seus sentidos e processa-a. Seu estudo se montou a partir da psicologia comparada, no entanto tem estado fortemente influenciada na etologia, ecologia do modo e da psicologia evolucionista.

O nome alternativo de etologia cognitiva é usado às vezes para compreender o que costumava ser considerado sob o título de ” inteligência animal. A investigação em cognição animal se realiza, na sua maioria, sobre isto mamíferos, especialmente primatas, cetáceos e elefantes, do mesmo modo cães, gatos, guaxinins e roedores. Não obstante, a busca bem como se estende aos vertebrados não mamíferos, pássaros, papagaios, pode e pombos, e se investiga também sobre répteis, lagartos, cobras e peixes, até já sobre invertebrados: cefalópodes, aranhas e insetos.

Já pela antiguidade, os pensadores mantinham posturas encontradas com ligação às capacidades mentais dos animais. Aristóteles dizia que a inteligência se podes acompanhar em incontáveis graus, em que os animais, porém que só o homem é racional. Descartes foi mais longe, afirmando que os animais são máquinas sem alma, o que hoje chamaríamos robôs.

nem ao menos todos os filósofos estavam de acordo com ele. Voltaire considerava que as mentes de todos os animais percebem como essa de se percebem as dos homens. É relatar, que não existem diferenças filosóficas entre o observável (ações) e os processos não observáveis (como meditar e sentir), o que qualifica a esses últimos, como epifenómenos em humanos. Esses fundamentos não descobrem uma enorme aceitação pela comunidade científica, entretanto, sim, que conseguem trazer entusiastas seguidores entre o resto da população.

Esta descrição da história do estudo da cognição animal está inevitavelmente simplificada. Alguns estudos cognitivos necessitam do manuseio do jeito animal e do emprego de condicionamento operante pra simplificar o treinamento do animal. Em geral, pra obter a formação do conceito em animais são necessárias técnicas de generalização, pra que o animal fale adequadamente a um novo desafio em que o aprendizado associativo não poderá explicar o modo de resposta.

Outros pesquisadores têm utilizado com eficácia a metodologia de Jean Piaget, escolhendo as tarefas que as gurias dominam em diferentes estados de desenvolvimento e investigando quais eles podiam fazer os indivíduos de novas espécies. Dada a amplitude do campo de estudo da cognição animal na procura de analogias animais a processos cognitivos humanos, tenta-se que as áreas de estudo sigam mais ou menos o esquema criado na psicologia cognitiva humana.

no entanto, o progresso nas diferentes áreas é muito alterável. Centra-Se pela jeito dos animais pra compartilhar a atenção pras diferentes propriedades de um estímulo. Seguindo a busca pioneira de Richard Herrnstein, tem havido uma amplo quantidade de estudos sobre a perícia das aves pra discernir entre categorias de estímulos, incluindo tipos de categorias mal acordadas usadas na linguagem humana dia-a-dia. Foi por causa de as aves aprendem esse tipo de tarefa acessível e transferem as respostas corretas pros novos casos de categorias.

A perícia de mover-se e a busca visual são atividades considerações pra muitos animais. Algumas espécies, como o passarinho carpinteiro das Galápagos, fazem uso ferramentas específicas, como uma fração importante de seu comportamento de busca de comida. Esses comportamentos tendem a ser bastante inflexíveis e não podem ser aplicados de forma capaz em situações recentes.

  1. Cinco Lançamento do DVD
  2. 1 Efeitos fisiológicos
  3. Alterar o grau de glicosilação da fAPN,
  4. Não é tão potente como papagaios
  5. Cão Golden Retriever

1991: Jane Goodall documentou chimpanzés pescando cupins com paus. 2007: uma procura revelou que os chimpanzés da savana de Fongoli (Senegal) usavam varas afiadas como lanças no momento em que caçavam, considerando-se a primeira prova do emprego sistemático de armas em uma espécie diferente da humana. O estudo do uso de ferramentas está muito conectado ao da técnica de raciocinar e solucionar problemas. Wolfgang Köhler observou que o modo em que os chimpanzés bem equipados dificuldades como adquirir bananas colocados fora do seu alcance, não era por intervenção de ensaio e problema, entretanto sim obviamente a meta.

As soluções espontâneas problemas sem treinamento prévio dos chimpanzés, evidenciaram que os animais de determinados níveis evolutivos têm raciocínio abstrato, visto assim como em grajos e corvos da Nova Caledónia. Além dos experimentos de linguagem em primatas mencionados em um momento anterior, houve novas tentativas mais ou menos bem sucedidos de explicar a linguagem ou sistemas similares a animais não primatas, como papagaios e picos picapinos. Louis Herman (Herman, Richards & Wolz, 1984) publicou um postagem na revista Cognition sobre o entendimento de linguagem artificial sobre isto os golfinhos Akeakamai e Phoenix utilizando métodos cognitivos.

Rolar para cima