Clone O Seu Animal De Estimação Por 80.000 Euros

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

“Quando teu cão tenha morrido, siga estes passos para clonar animais de estimação: enrole o corpo humano em toalhas molhadas e coloque-o no frigorífico pra mantê-lo gelado. Tenha em conta que tem por volta de 5 dias para remover de forma segura as células vivas”. Entre os responsáveis do laboratório se acha o polêmico cientista Woo-Suk Hwang, que, em 2004, caiu em desgraça por trair a comunidade internacional, com uma falsa clonagem de embriões humanos e a extração de células-tronco. Um tribunal de Seul, condenado à prisão, entretanto não chegou a pisar na prisão, por tratar-se de uma condenação a 2 anos.

Foi pontualmente Hwang que sim conseguiu clonar a Snuppy, um galgo afegão, que ficou o primeiro cão concebido mediante a mesma técnica com a qual se montou a ovelha Dolly. Sooam voltou a ser notícia no término de dezembro, quando se conheceu o caso de Dylan, um boxer que morreu de modo repentina aos oito anos de idade por um tumor cerebral. “Não apenas vamos clonar cães, também vamos curar corações partidos”, reza a exibição do centro em sua página web. Com uma biópsia de tecido do cão, vivo ou morto, que recebe de um veterinário, é possível remover as células pra proceder ao processo de clonagem.

São recolhidos os óvulos de uma cadela doador para os que se lhes extrai o núcleo, que contém o utensílio genético, e se funde com o DNA do cão que se deseja clonar. Depois, o embrião resultante é implantado no útero de uma fêmea, que faz de mãe de aluguel e em sessenta dias dá claridade a filhotes de clonagem. David Kim, pesquisador de Sooam Biotech, reitera que a sua taxa de sucesso de gestação é de 40%. “Os filhotes clonados são fisicamente iguais aos cães doadores, porém se o doador tem um padrão de pelagem especial, ser diferente”.

  • 5 Utilizações em cuidados intensivos
  • Maior Winston Chisel – (Gregory Itzin)
  • quinze mapas com dados curiosos e surpreendentes (Vol. II)
  • 2 Álbuns ao vivo, remixes

quanto à personalidade do cão, destaca-se que a genética desempenha um papel respeitável no feitio, entretanto bem como o local e as experiências. “Como dois gêmeos idênticos humanos compartilham o mesmo DNA, no entanto se eles crescem em ambientes diferentes de sua personalidade assim como será diferente”. Javier Canhão, professor de genética da Faculdade de Veterinária da Universidade Complutense, explica que os caracteres morfológicos são acordados por poucos genes, que são mantidos sem alteração. Mas há outros mais complicados de clonar, como a resistência a doenças.

“O recurso de clonagem é uma espécie de reprogramação genética da célula, no entanto a técnica ainda não está conseguida do todo”, diz. Há uma série de reguladores epigenéticas no procedimento, que executam com que um animal obtido nessas condições não seja exatamente a mesma. Em conexão a saúde do animal clonado, muitas são as vozes que indicam que é mais quebrável que a de um animal nascido de “forma natural”.

Apesar do Sooam destacam que seus cães clonados não têm nenhum tipo de problema de saúde causado pelo evento de ser clonados -sim podem sofrer de doenças genéticas que tivesse o cão original-, Canhão de posição em inverso. “Deve-se esperar que um animal clonado tenha mais problemas. Mas também poderiam ser algumas mais sutis, como uma ausência de resistência de ratos ou doenças infecciosas”.

Rolar para cima