Como Perdi dez Quilos, Graças a Um Desenho De Minha Sobrinha

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Se há três meses contam-me que ia publicar uma crônica sobre o assunto tudo que eu desbastadas, eu teria dado um ataque de riso. Mais que nada visto que eu não estava gordo. Se por sorte, deixado. Vale que já vejo as fotos do antes e pareço Papai Noel a topo de Just For Men, no entanto a mim ninguém me tinha definido como nunca gordo.

Para tudo há uma primeira vez e a minha chegou em forma de desenho assinado por minha sobrinha de 9 anos, Carlota. Me deu, pra que eu o colocasse pela geladeira, todavia lhe deixei a borracha e pedi-lhe que lhe deste uma vueltecita. A menina deixou como estava, já que eu tinha retratado como essa de eu me avenida na sua cabeça: fuertecito. O pior foi que sua avó lhe argumentou que eu tinha tirado super e, imediatamente de passagem, a mim lembrou-me que as meninas sempre dizem a verdade.

Se a minha mãe, que a toda a hora havia recusado que Brad Pitt fosse mais bonito que eu, eu me rua anchito, como a coisa se eu tinha ido das mãos. Eu custava a acreditar, pelo motivo de eu sempre fui dos que comem sem reforçar o prato e, puxando-a saudável. Artigos esses que adicionam o feliz que você for consumir aipo existe um monte.

  • Dom milton
  • dez chaves pra perder calorias, para além da dieta
  • Monumento a Pedro de Alvarado
  • Suavizar a pele com uma loção ou com vaselina
  • 5 Passada com salto
  • Mans I need não introduction… 19:37 11 de fevereiro de 2017 (UTC)
  • Recupera trinta segundos e repete a rotina dois vezes mais

Eu irei-vos contar a verdade: a perda de peso é uma angústia na bunda. A maioria da comida de regime é fria, leite ou não sabe nada. Para uma dieta rigorosa, não me parecia (pesava quase oitenta quilos, meço 1,setenta cm, e as tabelas diziam que me sobraram 10), sendo assim decidi fazer a minha própria que, por ventura, coloque de cabeça pra baixo a cada nutricionista e com causa.

Conste que não almejo sentar cátedra, contudo compartilhar uma experiência sem frases motivadoras do livro do Vips. Para começar, me organizei as refeições e as deixei em cinco recomendadas, todavia sem repetições. Em Portugal, não sei se já que a jornada de trabalho dura todo o dia, tendemos a redesayunos às 11, as remeriendas às oito e as recenas à meia-noite. O fantástico para meter uma nova rotina em sua vida é modificar o lugar usual, portanto aproveitei que estava começando um novo trabalho para deixar os cupcakes entre horas e experimentar com as bananas.

Eu imagino, é a fruta que mais engorda de todas, entretanto a outra opção era uma napolitana de creme. Os refrigerantes carbonatados eu não os tirei, apesar de eu aficioné pros que não têm açúcar, que não sabem como, nem ao menos de longínquo. O álcool não o deixei, porém já que não é que eu esteja empadronado em Magaluf. E também que, mais que a que metia pela geladeira, o que eu tinha que se preocupar era o que me devorou?? na via. Optei por modificar os regalices do chinês por pacotes de peru do supermercado, desses de um euro.

Estão tão processados que não têm sabor a uma coisa que existe pela meio ambiente, em vista disso que combinei com os de lombo e presunto serrano do mesmo valor (de pata negra não são). O mais diferente de tudo foi me acostumar com os olhares de estranheza que me lançavam as pessoas por encontrar-se comendo carnes frias no tempo em que esperava que se abrisse a passagem de pedestres.

Sou dos que, por serviço e em razão de eu não tenho máquina de lavar louça, piso lanchar fora, outro dos adversários das dietas. A realidade é que os menus do dia costuma ter pratos verdes e ferro de engomar. Quando eu tocava consumir alguma coisa veloz, puxou de sushi, que é bem mais suave do que o euroahorro do McDonalds. O caso é que, para comer, eu tenho comido de tudo, macarrão, carnes, peixes com molho, batatas fritas e até pão, kryptonite da magreza.

Rolar para cima