Como Vender Serviços Pela Internet

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Em linhas gerais, o Internet produtos ou serviços? Pois depende da dificuldade do produto e do serviço. Em condições idênticos, os produtos são menos difíceis de vender por sua tangibilidad, entretanto Por tal, a facilidade ou não da venda está nas coisas descomplicado ou complexo que seja transmitir ao potencial consumidor o que podemos vender. E isso é aplicável aos serviços. Um artefato pode ser claro de se vender o objeto em si é fácil.

A título de exemplo, se investigando bolis ou sapatos, toda humanidade entende o que são. Mas se o artefato é complexo, a tua venda também é. “A título de exemplo, um skate elétrico. A quantidade de dúvidas que são capazes de surgir ao usuário antes de adquirir um são várias e mais de imediato que começaram a pululam notícias de que os bancos exploram e Amazon, entre outros, se recusou a vendê-los. E surgem tantas perguntas, que o método de venda on-line tem que ser acompanhado de uma venda assistida, seja por chat, telefone, filme ou presencial que ajude a explicar melhor o que está comercializando. Imagine um serviço fácil, como dar mentoring pela Internet.

“Suponhamos que a cobrança de duzentos euros por mês pra uma sessão ou quatrocentos euros por sessão e um acompanhamento semanal e explico super bem em um vídeo e web. Posso fazer com que as pessoas gostem, o contrate e pague uma taxa mensal. E isto poderia ocorrer, pelo motivo de eu paquetizado. Mas, dependendo da meio ambiente e dificuldade do serviço, nem sempre é possível paquetizar os serviços em produtos pra que alguém possa contratar na Internet. Às vezes, é possível paquetizar apenas uma cota do processo e servir bem ao freguês. Ou mesmo ter escritórios comerciais para poder fazer campanhas segmentadas”.

a barreira do grau de dificuldade inicial do serviço que você deseja vender, você tem que apesar outra barreira: a padronização. “O cliente é mais difícil de comprar, pelo motivo de não há serviços padrões. Tendo como exemplo, temos uma startup que está tirando venda de serviços pra reformas da residência. E estão trabalhando em fazer produtivos desses serviços. Desenvolveram um aplicativo pra pesquisar, tais como, um encanador. Os funil de conversão em objeto (por esse caso, os passos que precisa ceder em um método de compra), são mais curtos.

“É possível voltar à compra em 3 etapas, entretanto a venda de serviços na Internet requer mais interação. Se não é possível, “pelo motivo de é um conteúdo mais artesanal, que não se podes padronizar tanto, porque toca interpretar o online como um canal de presença, de intercomunicação”, ressalta o especialista.

A venda desses serviços mais complexos ou menos padronizados na Internet seria secundária, ou seja, deverá utilizar a Rede para capturar tráfego e, em seguida, converter esses visitantes em consumidores. “Quando você vende serviços, no encerramento, se você está comercializando a si mesmo, a sua imagem de marca. Em linhas gerais, não estaria comercializando um serviço, entretanto posicionándote e facilitando que depois os compradores cheguem a ti. As consultorias mais pequenas, que não têm bastante marca, vendem o seu ponto”, diz Suárez. Seria, desta maneira, não um canal, propriamente dito, de venda, no entanto de captação.

  1. Quatro Saques e requisições
  2. Centro Cultural Da Meia Bolo, Bogotá, Colômbia
  3. vinte e cinco Pinako Rockbell
  4. 2 Preparativos soviéticos

Seria um”canal de marketing, de comunicação, pra aperfeiçoar a experiência de marca e posicionar-se numa escuta, selecionar onde você quer estar e tenta posicionar-se como influencers”, propõe Suárez. Aqui entra a fração de gerar confiança no usuário. Temos um serviço complexo, que não queremos paquetizar, no mínimo, por todo o seu recurso, e precisamos fazê-lo regressar ao mercado. Explicando tudo de bom que pudermos. “Aqui trabalharia com a filosofia francesa, onde são muito fatos a usar certificados e selos de peculiaridade. Também, dando visibilidade na internet com as recomendações e críticas de outros usuários.

Ou estratégias do tipo de ‘devolução do dinheiro, se você não está animado com o serviço’. Echaleku confirma a relevância de potenciar variáveis como confiança, “o provar, com casos reais que os outros estão felizes, as referências de consumidores e os testemunhos. Mas, sem esquecer, que é o mesmo que na venda de produtos mais famosos, como, por exemplo, uma bota de montanha.

Mas no caso de novos produtos, como o patinete elétrico, em que há uma controvérsia sobre isso se explode ou não a bateria, é uma compra mais reflexiva, não é tão impulsiva. Como um serviço”, entende Echaleku. Na sua opinião, há dois tipos de serviços: os pontuais e recorrentes.

Rolar para cima