Criar Uma Loja ‘online’ Está Ao Seu Alcance

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

No nosso estado, a loja online B2C cresceu em Portugal 11,3% no ano anterior, até superar os 16.000 milhões de euros e somar mais de 18 milhões de consumidores. Seu potencial é inegável. Graças à Internet, possuir uma loja que está ao alcance de quase o mundo todo. É de fato simples e insuficiente dispendioso possuir uma. Entretanto, antes de pôr mãos à obra e começar a vender, é necessário considerar numerosas questões.

O country manager pra Portugal da SiteGround (corporação internacional especializada em hospedagem de lojas online), José Ramón Padrão, explica as 4 dúvidas fundamentais. Ao oposto de alguns anos atrás, hoje existem diversas opções no mercado pra desenvolver uma loja online, sem a indispensabilidade de ter conhecimentos de programação.

Existe uma ampla abundância de soluções à capacidade, chamadas Shopping Carts, a maioria delas gratuitas, entre as quais se afirmam as aplicações de código aberto WooCommerce pra WordPress, Magento, VirtueMart pra Joomla, Prestashop, CS-Cart, OpenCart e muito mais. De todas elas, a mais popular nos dias de hoje é WooCommerce, dado que está instalada em mais de um milhão de lojas online em todo o mundo.

  • Compartilhe conteúdo útil e valioso
  • 4 Tecnologia móvel pra saúde
  • se concentre na Qualidade e não Quantidade
  • Crie alguma publicação promovida e segmentada pra trazer mais seguidores de propriedade
  • As que seguem um padrão dedutivo

Padrão. Se o vendedor de imediato está usando um web site ou site baseado em WordPress, é muito fácil transformá-lo numa loja online cheia de recursos adicionando o plugin WooCommerce. Convém identificar entre soluções de código aberto e cerradoEn todo o caso, “convém ver novas diferenças entre soluções baseadas em código aberto (open source) e de código fechado na hora de escolher como fazer sua loja online”, explica Padrão. Assim, “as primeiras partem das vantagens de alternativa e mobilidade, sempre que que novas de código proprietário como Shopify ou Squarespace não permitem ser transferidas para outros provedores de hospedagem, se desta maneira o desejar”.

A segunda diferença reside pela comunidade de desenvolvedores que há por trás das soluções de código aberto, pois esse tipo de CMS conta com uma respeitável e activa quantidade de profissionais envolvidos em sua expansão e aperfeiçoamento. As aplicações de corporações, pelo oposto, “dependem dos esforços de um único computador de desenvolvimento, o que limita a prática pela hora de melhorar, atacar vulnerabilidades, etc.”

Como toda a página, é preciso contratar um provedor de hospedagem pra poder permanecer. O fornecedor de ‘hosting’ tem que nos proteger a ter a SSLEl primeiro passo será comprar um certificado SSL e instalar o arquivo na loja para tornar mais seguro o recurso de compra e o envio de sugestões. Padrón. Se o negócio cresce, o vendedor necessita tentar diminuir as comissões trabalhando com fornecedores que ofereçam condições flexíveis e de um acordo mais grande.

Padrão. “Quanto mais você crescer será menos difícil de encontrar fornecedores que proporcionam condições mais flexíveis e melhores fees”. SiteGround. No caso das lojas online, existem diversas estratégias pra trazer freguêses. A primeira delas é alcançar tráfego a começar por sistemas de publicidade online, como o Adwords.

Padrão. “O evento de pagar somente pelos cliques que lhe permite ter um maior controle de seus gastos e definir orçamentos diários pra seus anúncios”. De nada serve ter um ambiente se seus consumidores não cruzam a puertaOtra por que ganha cada vez mais força é o exercício de mídias sociais como o Twitter pra comprar informações de novidades ou de estar perto das marcas.

Rolar para cima