Desenvolvimento De Um Plano De Negócios

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Os empreendedores atuam como administradores e antecipam o lançamento e crescimento de sua empresa. O empreendedorismo é o recurso pelo qual um ser ou um computador identifica uma chance de negócio e adquire e desenvolve os recursos necessários para sua exploração. Desenvolvimento de um plano de negócios. Contratação de recursos humanos. Aquisição de recursos financeiros e aparato. Ser responsável pelo sucesso ou fracasso dos negócios. O economista Joseph Schumpeter (1883-1950) viu o papel do empreendedor na economia como uma “destruição criativa”; lançar inovações que, simultaneamente, destruindo velhas indústrias.

O mercantilismo é, dessa maneira, uma doutrina ou política econômica que aparece em um momento intervencionista e descreve um credo econômico que prevaleceu pela data do nascimento do capitalismo, antes da Revolução industrial. As primeiras teorias mercantilistas construídas no início do Século XVI estiveram marcadas pelo bullionismo (do inglês bullion de ouro em lingotes).

Se raciocina da mesma forma com conexão a um estado. Devido ao crescente sucesso destas ideias, as diferentes nações da Europa têm se dedicado, apesar de que sem muito sucesso, a procurar e acumular ouro e prata, e de todas as maneiras possíveis. Espanha e Portugal, portadores das principais minas que fornecem a Europa desses metais, proibiram a exportação ameaçando com graves represálias, ou são submetidos a enormes taxas. Esta mesma proibição fez parte da política da maioria das nações da Europa. É encontrada mesmo onde menos se esperaria, em algumas antigas atas do parlamento da Escócia, que proíbem, ante fortes penas, transportar ouro e prata pra fora do reino.

Durante este tempo, interessantes quantidades de ouro e prata fluíam desde as colônias espanholas do Novo Mundo pra Europa. Para os escritores bullionistas, como Jean Bodin ou Thomas Gresham, a fortuna e o poder do Estado se medem na quantidade de ouro que possuem. Cada nação precisa, em vista disso, acrescentar suas reservas de ouro, em detrimento das demasiado nações pra fazer desenvolver-se o teu poder. A prosperidade de um Estado é medida, de acordo com os bullionistas, na riqueza acumulada pelo governo, sem mencionar a Renda Nacional. Este interesse pras reservas de ouro e prata se explica, em cota, pela credibilidade destas matérias-primas em tempos de guerra.

  1. CEMR: “A coisa é que esse senhor é publicitário, Presidente. Ele não entende de nada.”
  2. 1979: L. A. (Light Album)
  3. quatro Sobre a concorrência no capitalismo
  4. Detectar uma inevitabilidade

Os exércitos, que contavam com muitos mercenários, eram pagas com ouro e removendo os poucos países europeus que controlavam as minas de ouro e prata, a principal maneira de comprar estas matérias-primas era o comércio internacional. Se um Estado exportava mais do que importava, a tua “balança do comércio” (o que corresponde, nos nossos dias, a balança comercial) era excedentária, o que se traduzia em uma entrada líquida de dinheiro.

Isto levou os mercantilistas a recomendar como objetivo econômico o de ter um excedente comercial. Era estritamente proibida a exportação de ouro. Os bullionistas assim como eram partidários de pôr em marcha altas taxas de juros para incentivar os investidores a investir o teu dinheiro no nação. No Século XVIII criou-se uma versão mais elaborada das idéias mercantilistas, que rejeitava a visão simplista do bullionismo.

Esses escritores, como Thomas Mun, colocava como principal intuito o progresso da fortuna nacional, e ainda continuava considerando que o ouro era a principal riqueza, admitiam que existiam algumas referências de fortuna, como as mercadorias. O propósito de uma balança comercial excedentária continuava a ser perseguido, contudo desde esse instante parecia curioso importar mercadorias da Ásia a partir de ouro para revender posteriormente, esses bens no mercado europeu com importantes proveitos.

Esta nova visão recusava a partir deste instante, a exportação de matérias-primas, que uma vez transformados em bens finais constituíam uma respeitável fonte de fortuna. Enquanto o bullionismo favorecera a exportação em massa de lã da Grã-Bretanha, a nova criação de talentos apoiava a proibição total de exportação de matérias-primas e demandam o desenvolvimento de indústrias manufatureiras domésticas.

Ao depender as indústrias consideráveis capitais, no Século XVIII, houve uma redução das limitações contra a usura. Como super bem demonstrou William Petty, a taxa de juros é visão como uma compensação pelas moléstias ocasionadas ao prestador, ao ficar sem liquidez. As decorrências em matéria de política interior das teorias mercantilistas estavam muito mais fragmentadas do que os seus aspectos de política comercial.

Enquanto Adam Smith dizia que o mercantilismo apelava a controles muito rígidos de economia, os mercantilistas não estavam de acordo entre si. Alguns previam a constituição de monopólios e novas cartas patentes. Mas outros criticavam o risco de corrupção e de ineficiência de tais sistemas. Muitos mercantilistas bem como reconheciam que a instauração de quotas e de controle de preços propiciava o mercado negro. Em compensação, a maioria dos teóricos mercantilistas estavam de acordo em que a opressão econômica dos trabalhadores e agricultores que deviam viver com rendimentos próximos ao nível de sobrevivência, para maximizar a elaboração.

Rolar para cima