Entrevista Sobre Como emagrecer Com A Dieta Inteligente

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Frente às dietas milagre, regimes que fazem uso o senso comum. Esta é a primeira sala das nutricionistas Joana Manuel González (1969, Burgos), Anabel Fernández (1987, Barcelona) e Júlia Farré (1985, Barcelona). As três têm feito A dieta inteligente (Vecchi), um manual dietético que propõe idéias e receitas para perder calorias, contudo, principlamente, pra aprender a levar uma existência saudável. Longe das dietas que hoje estão mais pela moda, as três especialistas promovem um regime em que a temida massa é bem-vinda e em que não há alimentos proibidos. O que primeiro conselho daria a uma pessoa que quer começar a fazer dieta?

Joana Marcelo (JM): escolha um que não diga de alimentos bons e maus e que não exclua nenhum alimento. A dieta inteligente usa o que há no hipermercado. Anabel (A): Que procure profissionais formados e que tenha espírito crítico. Se todas as associações estão citando que uma dieta é ruim, que não forem de cabeça lá.

Júlia: A dieta precisa se adaptar a ti, e não tu a fazer dieta. Se um livro se coloca um regime que não se encaixa com o seu cotidiano e que te obriga a mudar a sua rotina pra poder fazê-lo, este não é o teu regime. E que pense que uma dieta necessita cuidar para entender.

  • 1 Em inglês
  • Levanta uma perna, estendendo-se pra trás até continuar em linha reta com teu torso
  • onze Resgate Mii II
  • um Mini trampolim
  • A hidrastis fortalece as membranas mucosas

o Seu livro se chama A dieta inteligente. Como a maioria não o são? Júlia (J): É o inverso, não existem dúvidas que o povo é inteligente e então precisa de uma dieta que possa compreender e que lhe dê as ferramentas pra poder comer bem. A: nós Queremos esclarecer às pessoas, com a inteligência que tem, por que tem que fazer as coisas.

JM: Porque as possibilidades que se dão são falsas. Se lhe prometes alguém que você pode perder calorias de forma acelerada, sem prejuízo a sua saúde está prometendo coisas falsas. Nossa mensagem é completamente contraposto ao que existe neste instante no mercado. E Qual é a mensagem que se dá habitualmente?

JM: Que fazê-las é alguma coisa veloz, fácil e que não causa amargura já que você pode ingerir o que você ganha, sem controle. Dizem coisas falsas. JM: Que o ácido úrico é eliminado, bebendo muita água. Ou que o açúcar é prejudicial. Há muitos mitos o JM: Nada emagrece nem engorda.

O que emagrece ou engorda é o que você faz no seu dia-a-dia, seus hábitos, horários que você tem, como você organizar as refeições, alimentos que resolve, etc. em razão de são tão significativas os horários nas dietas? JM: Porque se são capazes de fazer acrescentar o peso. Na consulta vemos que pessoas que não almoçam bem sobem de peso e não entendem por que o

estão pulando uma refeição! E se você pular o jantar ou o café da manhã você passa várias horas sem ingerir e isso faz um efeito jejum que faz com que o organismo se adapte. Como foi essa adaptação? JM: Reservando calorias. E como o corpo humano não gasta, já que reserva calorias, fica com tudo o que come.

Então armazena gordura. Então, só arranjar os horários em que alguém podes parar de ficar mais gordo. Qual é a refeição mais sério do dia? A: Para mim todas. JM: Fazer estas duas refeições intermediárias, corta a aflição e fornecem poucas calorias, o que evita o aumento de destino para a próxima refeição. Ademais, se você se sentir com muita fome à mesa, come o prato em vinte minutos e ainda com fome pelo motivo de não deu tempo a que o estômago lhe mandar ao cérebro ímput de que está saciado. Assim, há que ingerir devagar e não fazê-lo com muita fome em razão de sendo assim seguirías comendo.

Outro mito da dieta: frutas, há que tomá-lo fora das refeições para que não engorda. A: A fruta depois das refeições não engorda. Mas nós propomos tomá-la como aperitivo, por causa de é um alimento que apenas se tem que mastigar e que sacia a fome e, em vista disso, permite voltar até a próxima refeição bem.

Rolar para cima