O ‘ursinho’ Enganador Do Sudeste

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Tudo começou com um simpático casal. Irresistíveis peluches vivos foram comprados no momento em que eram rapazes, com a intenção de transformá-los em animais. Assim foi durante um tempo. Muito passageiro, pois quanto cresceram, as dificuldades se multiplicaram. Enganosos, insaciáveis, fedorentos e acima de tudo, agressivos, não podia continuar na casa. O que fazer com eles?

A solução foi claro: uma noite recolheram-a gaiola, soltándoles pela margem de um rio. Seus donos tinham lido que estavam acostumados a capturar peixes. Lá estariam muito bem. Felizes por ter dado uma vida melhor, ficaram tranquilos. Aquilo aconteceu em 2004 e o casal de guaxinins, porque eram dessa espécie as pretendidas animais de estimação, começaram a tua nova existência no Parque Regional do Sudeste.

  • levá-lo pra um recinto fresco
  • três Federações Caninas
  • Polluela avermelhada, Laterallus ruber
  • Prolongada: 40-200 h
  • Gato Somali

Não tardaram em ser descobertos. Impossível que dois animais de teu tamanho e costumes passassem despercebidos. Com um peso médio de seis quilos, bem que um exemplar capturado pesava 28, medindo até 60 cm. São originários da América do norte, onde são chamados de ‘ursinhos lavadores’ por seu hábito de sentar-se, como os ursos e lavar os alimentos. A carência de oponentes e a tua rapidez de reprodutores, fizeram com que em dez anos os guaxinins tenham colonizado uma divisão memorável dos rios Minho e Jarama, para além dos limites do espaço protegido. Também se lhes vê o real Madrid, o Maiorca, o Perales, o Guadarrama e o Município. Seu tamanho e crueldade lhes realizam ‘campeões’ do teu ambiente.

Acabam com os que competem com eles: ginetas, garduñas, martas, doninhas, visões, raposas, lontras, todo o tipo de aves aquáticas e aquáticas, como garças e cegonhas. E isto sem esquecer várias espécies de animais domésticos como galinhas, patos, coelhos, gatos e cães. Consumir com alegria os cultivos próximos ao teu habitat, causando consideráveis danos. Por se fosse pouco, não recuam diante a simplicidade presença do homem, podendo atacá-los se ele tenta agarrá-lo.

O problema é que, e também ferozes petiscos, podem propagar doenças como a raiva e a minhoca redonda, parasita que razão a cegueira e poderá comer o cérebro de alguém. Como vimos na semana passada com as maritacas argentinas e vamos enxergar o que vem com as tartarugas da Florida, os guaxinins são uma espécie invasora, lançada pelo homem em um local que não é o teu.

Em Madrid, o Plano de Ação pro Controle e Possível Erradicação do Guaxinim foi capturado mais de 400 exemplares. Se pensa, já que não foi realizado nenhum censo, que há mais de cem indivíduos livres. Apesar disso, não é descomplicado vê-los pelos seus hábitos noturnos. Sim, você pode visitar, onde foram encontrados na primeira vez, no Parque Regional do Sudeste.

Inicia o passeio pela Rotunda da Europa, em San Fernando de Henares. Percorrer o passeio dos Choupos da Horta Grande, até ao teu final, na segunda rotatória. Seguir à direita na rua dos Plátanos até o teu encerramento, onde se vira à esquerda. Atravessar o Henares por uma passarela e siga para a direita, pra ir debaixo da M-45 e girar 90º para a esquerda. Continuar na rua principal até uma pista transversal, que corre juntamente a uma vedação de arame. Levá-la para a direita até a beira do Minho. Duzentos metros à direita, o rio se une ao Jarama. Vai ser difícil observar qualquer guaxinim, de imediato dizemos, porém se está com alguém não tente início. Pode parecer um amigável pelúcia, no entanto é uma bestezuela de cuidado.

A gravidade da pureza dos alimentos foi reconhecida, quando o armazenamento em massa conduziu ao aparecimento de casos de contaminação. Cozinhar desenvolveu-se frequentemente como uma atividade ritualística, devido à amargura com a competência e a fiabilidade, exigindo a adesão a receitas e procedimentos severos em resposta à busca de pureza e consistência do alimento. 475 pra. C.: Anaxágoras declara que a comida é absorvida pelo organismo e, deste modo, contém componentes generativos, deduzindo, sendo assim, a vivência de nutrientes.

Rolar para cima