“Quem Não Te Faz Rir, Certamente Não Se Fará Gemer”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O universo do casal é mais complicado do que, a priori, parece. A base do clássico guri conhece a moça, se gosta, se apaixonam e partilham a sua vida juntos, é, infelizmente, menos comum do que a humanidade tivesse querido. Se as coisas fluyeran de forma natural, porventura nas livrarias não se amontonarían os manuais a respeito de como fazer ou gerenciar o carinho em nossa existência.

Rúben Turienzo se aproxima do universo de Eros com a segunda parte de Smile , com muitos exercícios práticos, e dedicada a incentivar a conduta positiva no que ele define como para os casais radiantes. De acordo com o autor, estes casais necessitam basear seu tratado em pilares como o lucro, a sintonia, o destino e a química. Turienzo quer deixar claro que em todas as relações e casais, existem dificuldades, contudo sim que se poderá entender é a de reconhecer onde está o conflito para trabalhar e resolvê-lo.

Há muitos manuais, como o seu, nos ajudam a ter relações mais saudáveis. Será em vista disso tão trabalhoso é isto do amor que precisaremos que nos expliquem como adorar os nossos parceiros? É verdade que existem muitos, e que é um cenário inesgotável; se de imediato é dificultoso entender o que acontece dentro da cabeça de alguém, pense com dois cérebros.

Ao término, uma conexão é um pacto especial entre duas pessoas, e neste local é onde falham a maioria dos manuais. Que costumam oferecer outras diretrizes gerais que são como acordos legais. As relações não estão nem ao menos ótimo, nem ao menos mau; cada pessoa instaura a sua própria. Fazem inexistência manuais como temos que de cada tipo de componente que nos ajude a ponderar a respeito da nossa ligação, como neste instante fazemos com outros aspectos de nossa existência, como o serviço ou a nossa maneira.

  • Dois Essas coisas você não tem que fazer se você quer namorar um homem
  • Que entenda que sua vida perde o significado se você não está com ela
  • É que eu estou apaixonado por você, em razão de eu vejo o mundo em teus olhos e os teus olhos em o mundo todo
  • 5 Sorpréndelo com fatos

Isso é pelo motivo de não conseguimos fazer os trabalhos de moradia a tempo e concebemos a relação como alguma coisa tão claro como namorar uma pessoa e estar com ele ou com ela? Eu é que deveria ser descomplicado assim sendo! Com a cota que necessita ver de perto com a educação que recebemos. Estamos todos um pouco de alface com o vírus do “para sempre”.

Aqui é onde começam os problemas! Quando há alguém que gostamos ou que nos fez feliz em um algum momento de nossa existência e, apesar de não funcionar a relação, nós nos esforçamos para que as coisas sejam eternamente. Aqui neste momento não se trata apenas de deixar que a química agir, no entanto há que começar a trabalhar a fração do comportamento na ligação. Entendo que, pelo o que me diz, que devemos desafiar desde o começo que uma ligação é algo que vai findar mais cedo ou mais tarde, por muito cru que pareça, no decorrer da fase inicial de estudo.

a primeira Coisa que precisamos começar a entender é que as coisas não são para todo o sempre. Nós Podemos trabalhar para que o sejam, todavia não queremos forçá-lo. Estamos em uma população em que vivemos de utilizar e deitar fora; quando eu tenho algo que eu uso e no momento em que isso não me vale o tiro. O problema é que temos levado as relações ao mesmo terreno.

Há um ponto médio que é estudar com a capacidade de compreensão da outra pessoa e o que há que fazer é trabalhar a relação. Não ficar na localização do “eu sou dessa maneira”, entretanto trabalhar a localização do “o que posso fazer pra ser melhor juntos”. A idéia é fazer-nos felizes todo o tempo possível. “Te pretendo muito”. “Eu preciso de você”. “Não sou nada sem ti”.

como Costumamos confundir o amor com a dependência sentimental? É uma das circunstâncias que mais se repetem em nosso dia a dia. O “eu te adoro” é um verbo em inglês, é muito fácil de distinguir e que, ao desfecho, falta-lhe um “pra”. Por que te pretendo? Não podemos ser conscientes de que o pretender implica a todo o momento um “para” e, se o fôssemos, claramente, poderíamos catalogar melhor a conexão que temos. Quero-Te para que me andes toda a vida, como companhia, como camarada, como amante. O “eu preciso” não é um passo a mais, é um eu não posso ser feliz sem a sua presença, algo que é completamente prejudicial.

Alguém deve ser saudável emocionalmente e localizar o equilíbrio por si mesma. Eu gosto de mostrar do “eu escolho” que, pra mim, é o ponto de amor consciente. Um casal que dá certo é aquela que, desde a saúde individual de cada indivíduo podes falar a outra pessoa “eu te escolhi desde a minha autonomia a cada dia, pra que esteja ao meu lado”.

Rolar para cima